terça-feira, 19 de agosto de 2014

Nicolas e Fernanda

ATENÇÃO: Este é o primeiro texto escrito pelo Nicolas para fazer parte deste blog. Ele tomou a iniciativa de escrever e me pediu para corrigir e anexar as fotos, bom coo mexer na formatação. Não corrigi muito para que não perca a originalidade. Espero que gostem de seu trabalho.

Anita Brito

Acho que vocês já conhecem a Fernanda Federici (mais conhecida como Fee ou Nanda), e hoje é a vez dela de receber uma homenagem depois da minha outra melhor amiga Izabelle Chistie junto com a minha mãe. Pra quem não sabe, a Fernanda é uma das pessoas mais importantes da minha vida. Ela me dá muitos conselhos, conversa comigo, me dá atenção, me elogia e me ensina muitas coisas. Claro que ela tem seus defeitos, assim como a Izabelle e eu também temos, mas a vida é assim. O que eu gosto nela são as qualidades, que são muitas!


Eu já sonhei com ela algumas vezes por que eu gosto muito dela, mas não se animem muito não, pessoal. porque todos esses ''sonhos'', na verdade, foram pesadelos acontecendo coisas horríveis com ela e nem me perguntem como foram, por favor! Eu, às vezes, abraçava ela com força de preocupação com ela nos dias seguintes. Às vezes, ela se isolava muito e eu fazia companhia pra ela no intervalo. Além de tudo isso, eu também já saí com ela, já fui na casa dela e fiz outras coisas além de tudo isso.


Eu mesmo considero a Fernanda uma pessoa muito especial na minha vida. E não só isso, mas também, como uma das pessoas mais bonitas desse mundo.


Eu não sei se vocês perceberam, mas as fotos que eu postei no Facebook com a minha mãe no dia 12/10/2013 era como se fosse uma espécie de ''Trailer'' para as homenagens das minha duas melhores amigas!!!

Fernanda, obrigado por você ser minha amiga e ajudar a cuidar de mim. Espero que a gente seja amigos para sempre.

Bem, pessoal. Este é o meu primeiro texto que escrevo. Não sei se vocês vão gostar, mas é uma homenagem para a
minha amiga e espero que ela goste.




















sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Nicolas e a banana prateada

Desde que o Nicolas começou a dar trabalho para comer, aos quatro meses e meio de vida, decidimos que "Se faz bem, que mal tem?". Então, ele come de tudo e não reclama (muito! rsrsrs)

Voltei de viagem e ele estava com o rosto lotado de espinhas. Foi logo me dizendo que, como eu não estava aqui, ele foi muito mimado pela família e acabou comendo muitas "besteiras", o que acarretou nas espinhas.

Depois de uma boa limpeza de pele, conversei com ele sobre a importância de se alimentar bem e sobre os alimentos que ele sabe que são mais saudáveis: frutas, legumes etc.

Bem, ele resolveu comer banana como café da manhã para substituir pelo achocolatado e comer mais legumes nas refeições principais.

Neste mesmo dia, ele teve aula de Biologia e, a professora de Biologia, a Leila Lopes que é um amor de professora e super competente, nos contou o que aconteceu na aula deste dia:

Nicolas e a professora Leila
O Nicolas é um fofo! Ontem, durante a aula de Biologia, estava eu comentando sobre os benefícios da banana. Ele participou muuuuuiiiiito!!!! 
Ele me disse que gostava de bananas... Então eu disse que banana era realmente muito nutritiva além de saborosa, e completei:

- Você comeu banana prata, nanica ou maçã? Acho que você comeu banana prata! 

Ao que ele respondeu:

- A que eu comi era amarela, professora! (com um ar de riso)

Rimos muito e ele completou: 



- Banana prata deveria ser prateada, não amarela!!!"


Opinião final da professora: Fofo! Sempre enriquecendo nossas aulas!

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Se meu filho fosse...

Um poema para todas os pais e filhos

Se meu filho fosse deficiente visual, eu agradeceria a Deus todos os dias porque, mesmo sem sua visão, ele poderia me ouvir e falar comigo. Ele poderia enxergar meu coração como ninguém. Ele poderia me abraçar, andar ao meu lado. Poderia ser feliz por saber que é amado e desejado.

Se ele fosse deficiente auditivo, eu daria graças a Deus por ele poder me ver. Demonstraria a ele com meu olhar e meus gestos, tudo que minhas palavras não pudessem expressar. Eu mostraria a ele o quanto ele é amado e desejado. Eu calaria o silêncio de seus ouvidos com o amor de minhas palavras.

Se ele fosse mudo, ainda assim ele poderia me ver e me ouvir, e eu daria graças a Deus de poder caminhar ao meu lado e me dizer em gestos simples do dia a dia o quanto ele me ama. Eu daria voz aos seus gestos e escutaria suas palavras mais profundas ditas com seu coração.

Se ele fosse deficiente físico, faria uso de suas faculdades mentais para interagir comigo, não precisaria de nenhuma parte de seu corpo para mostrar seu apoio a mim em tempos difíceis ou de rir comigo nos momentos felizes. Ele seria igualmente amado e desejado e eu daria graças a Deus de tê-lo ao meu lado. Eu criaria movimentos para ele.

Se meu filho fosse autista, verbal ou não verbal, eu passaria minha vida procurando maneiras para me comunicar com ele de alguma outra forma. Se ele não olhasse nos meus olhos, procuraria seu amor em cada sorriso seu, em cada vez que ele respirasse, em cada movimento irregular de seu corpo... Eu daria graças a Deus de ele estar vivo e faria com que ele soubesse, todos os dias, o quanto foi amado e desejado nem que tivesse que reinventar a vida ou a forma de viver. Eu faria o impossível para tê-lo ao meu lado.

Se ele tivesse Síndrome de Down, acreditaria em suas potencialidades e riria com ele, choraria quando necessário, andaria com ele só para ouvi-lo falar de suas ideias. Daria graças a Deus por sua vida e faria com que ele soubesse, dia após dia, o quanto é amado e desejado. Eu aproveitaria cada sorriso seu para transformar em um sorriso meu.

Se meu filho não tivesse nenhuma síndrome, deficiência ou diferença, eu mostraria a ele, todos os dias, para que ele visse, ouvisse, interagisse e se fizesse ouvir, o quanto ele é amado e desejado. Daria graças a Deus e amaria cada conquista dele como se fosse a maior, ou a última...

Valorize seu filho, não suas deficiências. Veja quem ele é além da barreira que a sociedade coloca. Acredite que se ele veio a você assim, é porque é assim que tem que ser. Cabe a você encontrar forças onde os outros vêem as fraquezas. Faça com que seu filho saiba que ele é amado e desejado, seja ele como for. Ele é especial. Filhos são especiais...

Anita Brito

terça-feira, 29 de julho de 2014

Nicolas e Izabelle

Acho que vocês já viram a Izabelle por aqui, mas irei reapresentá-la a vocês.

Há alguns anos, fui professora da Belle e, já naquela época, eu me preocupava com inclusão de alunos. Havia um garoto na sala dela que era autista e que não falava com ninguém. Incentivei o grupo da Belle (que tinha a Fernanda, da qual falarei depois, em um outro post) a "adotar" o aluno e ajudá-lo nas atividades de sala e nos trabalhos. Resultado final: no segundo semestre, ele já estava dando seminários e participando de todas as atividades propostas por mim e por alguns professores que se interessaram em ajudá-lo.

Quando o Nicolas foi para o Ensino Fundamental, minha preocupação foi muito grande, uma vez que foi na época que ele teve problemas com bullying na escola. Nesta época, a Belle havia mudado de escola. Quando ela voltou a estudar no Colégio Elyte, começou a participar de algumas atividades que eu faço com os jovens (praticar o bem aos outros, desenvolver o lado altruísta, ajudar aos necessitados etc.). Foi aí que ela conheceu o Nicolas e, algum tempo depois, o Humbert (o irmão intercambista do Nicolas que ele tanto ama e que já falamos dele aqui antes).

O Nicolas e o Humbert se davam muito bem e o Humbert vivia incentivando o Nicolas e ajudando-o em vários aspectos. Inclusive, a estadia do Humbert aqui em casa só ajudou mais e mais na evolução do Nicolas. Mas, quando o Humbert foi embora, o Nicolas sofreu muito. Ele disse que foi a primeira vez que ele experimentou "saudade" e que não gostou nada do sentimento...

Bem, Nicolas viu-se meio que perdido sem o irmão-intercambista e resolveu dar uma chance para outras amizades. Apesar de já conhecer a Belle e gostar dela, o Nicolas aproximou-se ainda mais dela, pois ela também era muito amiga do Humbert. Então, Nicolas decidiu que era hora de sair para o intervalo da escola e enfrentar algo novo para ele (que sempre o assustou!).

Depois da primeira vez que ele foi ao intervalo da escola, super incentivado pela Belle, ele nunca mais se trancou na sala de aula. Aí a amizade dos dois cresceu demais e Nicolas foi amando cada vez mais essa amiga que ele chama de IRMÃ com o maior carinho.

Já saíram juntos várias vezes, se falam pela Internet, pessoalmente, se divertem, se entendem...

Mas na semana passada, eu estava viajando e Nicolas me ligou só para me dizer que ele, sozinho, descobriu o porquê de ele gostar tanto assim dela. Ele me disse que ela tem todo o jeitinho de falar com ele assim como eu falo. E que entende ele assim como eu entendo. Que o ensina quando ele faz algo de errado com o mesmo tom de voz que eu uso e que dá carinho a ele assim como eu dou. Ele me disse com todas as letras:

- Eu vejo você nela.

Isso me emocionou muito, porque eu dou conselho aos alunos como tratar o Nicolas ou qualquer outro aluno autista (ou qualquer outra pessoa, pois sempre prego o respeito e a tolerância com o próximo), mas saber que a Izabelle faz tão bem seu papel de amiga assim, me emocionou demais! Tanto ela, quanto a Fernanda são uns amores com o Nicolas e o tratam com tanto carinho...

Bem, só escrevi este post porque o Nicolas me pede todos os dias desde a semana passada:

- Mãe, será que você pode colocar no blog aquela história que te falei da Belle?

Agora vou parar de escrever e dar para ele ler. Se ele aprovar, vou publicar.

Obs.: Ele disse que era isso mesmo que ele queria. Fez os retoques necessários e me pediu para publicar :-)

À bientôt :-)

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Happy Feet, o Pinguim... Happy?

 O Nicolas simplesmente ADORA assistir ao filme Happy Feet, o Pinguim e, recentemente, assistimos a esse filme algumas vezes, uma vez que estava repetindo muito em uma TV a cabo.

Acho que já comentei com vocês que o Nicolas ama repetir algumas coisas (alguns autistas adoram!) e não é diferente com esse filme. Ele adora algumas partes mais que outras, o que é normal. Porém, notei que ao assistir a algumas partes, o Nicolas fica um pouco triste, o que também normal, uma vez que há algum drama na história.

Perguntei ao Nicolas o que o deixava triste, meio que já esperando a resposta, pois eu acreditava que ele responderia que estava com dó do pinguim. Sim, ele estava com dó do pinguim, porque ele entende que ele está sendo rejeitado, mas também, disse-me ele, porque é assim que ele se sente quando ele tem vergonha de alguma coisa.

Perguntei então a ele, o que que ele faz de diferente a ponto de sentir esta tristeza. Então, ele me disse que, às vezes, tenta participar de algumas conversas e convenções sociais e se sente deslocado e com vergonha.

Perguntei o porquê de, já que ele se sente desconfortável, tentar participar "destas coisas"? Ele olhou para mim espantado e disse: "Ué, como é que eu vou ser feliz se eu não tentar? Dá medo e vergonha às vezes, mas é a vida!"

Ele continuou assistindo e eu fiquei um tempo parada, olhando para ele... Existe limite? Até aqui, ele tem feito como ele quer e não é forçado a nada. Tem total consciência de sua condição, é muito feliz e tenta cada vez mais ajudar a si próprio e aos outros. Mas, e essa vontade de conseguir, de onde vem? Eu sei que não tenho colocado nada em sua cabeça para fazer com ele "mude e deixe de ser autista", contudo, vejo também que não é isso que ele quer. Vejo que ele só quer se encaixar... Ser autista e aceito!

Ao vê-lo gargalhar em uma das partes do filme, aquela gargalhada gostosa e cheia de vida. Daquelas que você, mesmo sem querer, ri junto, percebi que ele se assemelha mais a esse pinguim do que ele imagina. Ele nasceu diferente dos outros, foi rejeitado por uns, não aceito por outros, ridicularizado, questionado, deixado de lado, não entendido por alguns até mesmo da família e ainda tem gente que para tudo o que está fazendo para acompanhar as aventuras do Nicolas...

Ele já veio para mudar! Assim como o pinguim,  que depois de tanto ser apontado como o diferente, mostrou que sua diferença poderia abrir os olhos dos outros. Foi sua diferença que acordou aos humanos e aos pinguins mais velhos. Foi sua diferença que trouxe paz a seu povo e entendimento entre os desiguais.

Nicolas, ainda bem que você nasceu diferente, meu filho. Eu não me transformei em uma pessoa melhor por ser mãe de um autista. Eu procuro melhorar a cada dia porque eu amo ser SUA mãe, meu amor. Obrigada por me ensinar tanto e levar um pouquinho de esperança a alguns.

Lembrem-se: o mundo vai muito além do que imaginamos. As mudanças podem, e devem, começar em nosso próprio meio para que reflita no mundo.


Nicolas aos 05 anos, quando começou a falar um pouquinho...



quinta-feira, 19 de junho de 2014

Premiação do Livro Meu filho ERA autista



É com imenso prazer que compartilho com vocês que nosso livro, "Meu filho ERA autista - a história real de um garoto que nasceu autista e aprendeu a viver em dois mundos", foi premiado com o Prêmio Orgulho Autista 2013-2014. 

Faltam-me palavras para agradecer 



Segue lista completa dos premiados:
LISTA DOS VENCEDORES DO IX PRÊMIO ORGULHO AUTISTA 2013/2014:
I - Livro Destaque:
MEU FILHO ERA AUTISTA - AUTORA: ANITA BRITO - ED. NBS CONSULTORIA - JANDIRA/SP

-------------------------------
II - Escola Destaque:
ESCOLA MUNICIPAL ABRAHÃO HERMANO RIBENBOIM - RESENDE/RJ
DIRETORA: MONICA VIEIRA DE AVILA BARBOSA
---------------------------------
III - Professor Destaque
TADEU MONTEIRO – DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UNB
---------------------------------
IV – Médico/Profissional de Saúde Destaque
CHRISTIAN MULLER – HOSPITAL DA CRIANÇA - SUS - DISTRITO FEDERAL
--------------------------------
V - Psicólogo Destaque
1)LILIA JANBARTOLOMEI – CASA DA ESPERANÇA - FORTALEZA/CE
----------------------------------
VI - Político Brasileiro Destaque
DEPUTADA FEDERAL ROSINHA DA ADEFAL - MACEIÓ/AL
----------------------------------
VII - Imprensa Rádio Destaque
MIGUELZINHO MARTINS – PROGRAMA ENFOQUE JURÍDICO - EMPRESA BRASILEIRA DE COMUNICAÇÃO
-----------------------------------
VIII - Imprensa Televisão Destaque
LÚCIA ABREU – PROGRAMA CENAS DO BRASIL - NBR
PROGRAMA EXIBIDO EM 07/02/13 SOBRE A LEI BERENICE PIANA.
https://www.youtube.com/watch?v=ZT7JCLhCvjQ
-----------------------------------
IX - Imprensa Escrita - Revista Destaque
ANA PAULA FONTES - REVISTA CRESCER -AS CONQUISTAS DE UMA CRIANÇA AUTISTA - SP
http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI220964-10496,00-AS+CONQUISTAS+DE+UMA+CRIANCA+AUTISTA.html
------------------------------------
X - Imprensa Escrita - Jornal Destaque
LUIZ FERNANDO VIANNA – FOLHA DE SÃO PAULO
O AUTISMO NA ERA DA INDIGNAÇÃO - PUBLICADO EM 17/03/2013
http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/1247106-o-autismo-na-era-da-indignacao.shtml
------------------------------------
XI - Imprensa Fotografia Destaque
FAUZER COSTA – CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL - DF
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10202979294754984&set=gm.639084756172083&type=1&theater
-------------------------------------
XII - Internet Destaque
CARLY FLEISCHMANN
https://www.facebook.com/carlysvoice
--------------------------------------
XIII - Pessoa e Organização Não-Governamental Destaque
ALEXANDRA ONIKI - CIAAG- GUARULHOS- SP
--------------------------------------
XIV - Pessoa e Órgão Público ou Empresa Privada Destaque
GIANO COPETTI – INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA
--------------------------------------
XV - Atitude Destaque
TEMPLE GRANDIN - EUA
--------------------------------------
Da mesma forma como ocorreu em todas as edições anteriores, o IX Prêmio Orgulho Autista 2013/2014, será entregue nos estúdios da Rádio Nacional, em Brasília, com transmissão ao vivo para todo o Brasil. Desta vez, a entrega será em 09 de outubro de 2014, Dia do Autismo no Orçamento 2014.
Muito obrigado.
Fernando Cotta - Presidente
Conselho Brasileiro do Prêmio Orgulho

domingo, 15 de junho de 2014

Intercâmbio Brasil-França

Evento para 450 pessoas
Ontem, participamos de um evento em Campinas, SP, e Nicolas foi aplaudido de pé, por cerca de 450 convidados. Mas, como chegamos até lá?

Tudo começou quando recebemos um intercambista em nossa casa no final do ano de 2012. Ele morou conosco por cerca de quatro meses, mas conviveu com nossa família por quase um ano. Humbert Moreaux, francês de 19 anos, veio para o Brasil para passar um ano em uma outra cultura e para aprender muito sobre ele mesmo, afinal, ele chegou aqui um menino de 17 anos, meio assustado, tímido e cheio de receios e saiu daqui um homem.

Nicolas e Humbert
Eu, Manu, Renata e Isabelle, esposa
 de Manu e mãe de Humbert.
Quando Humbert veio morar conosco, explicamos a ele que nosso filho era autista e se ele não se importaria de morar em uma casa que tivesse uma criança especial. Ele prontamente respondeu que não. Perguntei a ele se ele sabia o que era autismo, ao que ele disse ter uma pequena ideia, mas não sabia exatamente o que era. Expliquei a ele que era muito fácil conviver com o Nicolas e que ele era estimulado o tempo inteiro para que pudesse desenvolver mais. Não demorou muito para que uma amizade linda nascesse. Nicolas e Humbert logo se tornaram irmãos e o carinho com que ele cuidava de Nicolas era emocionante. Ele nos ajudou muito em uma fase que o Nicolas estava em pleno desenvolvimento. As brincadeiras, os cuidados, as ajudas nas lições e nas conversas etc.

Fotos expostas no telão.
A família de Humbert ficou sabendo da amizade que se fez aqui no Brasil e logo essa amizade se estendeu para as famílias. Quando fui para a França, para pesquisar sobre autismo, fui tratada como uma rainha! O carinho de sua família para com a minha era, e ainda é, uma delícia. Uma amizade que queremos que dure para sempre...

Quando Emmanuel Moreaux, pai de Humbert, teve contato com nossa família por Skype, e mais tarde comigo pessoalmente, me ofereceu uma coleção de fotos para que pudéssemos vender e arrecadar fundos para a "associação do Nicolas". Porém, o Nicolas não tem uma associação. Então, oferecemos esta coleção de fotos para algumas associações para que organizássemos uma grande festa para arrecadar fundos. Emmanuel é um renomado fotógrafo na Europa e suas obras são simplesmente encantadoras.
Nicolas falando de seu amigo Manu

Nicolas falando de seu irmão Humbert
A Katia Coutrim acreditou no projeto e levamos a proposta à Dra. Sueli que, prontamente, começou a organizar um super evento em Campinas para arrecadarmos fundos para o PAICA (Projeto de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente). Uniram forças sem medir forças ou esforços e, no dia 14 de junho de 2014, o evento foi realizado com todo o sucesso possível. A "Turma do Macarrão",  o Senhor Norimiti Higa e mais uma porção e pessoas se reuniram durante semanas e venderam cerca de 450 convites. O salão estava cheio e tudo estava maravilhoso!

Infelizmente, nosso artista, Emmanuel Moreaux, teve um grave enfarto dois dias antes de embarcar para o Brasil e foi hospitalizado. Ficou duas semanas internado e, ao acordar, só se preocupava com a exposição aqui no Brasil. Cuidamos de tudo para que ele tivesse seu devido reconhecimento. Emmanuel é maravilhoso tanto em sua arte, quanto como pessoa. Dedicado a seu trabalho e apaixonado pela vida, Manu (como o chamamos carinhosamente) doou parte de seu trabalho para ajudar famílias que ele nem ao menos conhece.

Muito orgulho!
Ontem, durante o evento, Nicolas fez uma homenagem a nosso artista-amigo/amigo-artista e foi emocionante. Nicolas foi aplaudido de pé por todos os presentes no salão. Uma salva de palmas longa em homenagem ao Nicolas, ao Emmanuel e a todo aquele que acredita que o tratamento ainda é a melhor saída para darmos qualidade de vida aos nossos filhos.

Manu, você não pôde estar aqui conosco, presente, mas estava dentro do coração de cada um que tem orado por você para que você se recupere logo e plenamente.

Nossos mais sinceros agradecimentos e nosso carinho eterno a você <3


Manu e eu - 14 de julho de 2013