quarta-feira, 16 de abril de 2014

Após 72 anos, descubro que meu pai é autista...



Arnaldo, brasileiro, 72 anos, aposentado, pai de 06 filhos, casado...

Durante 72 anos, Arnaldo viveu sem saber que estava dentro do espectro autista. Nem a família desconfiava que seria isso, uma vez que, em sua infância nos anos 1940 e 1950, os estudos ainda estavam na fase inicial tanto nos Estados Unidos quanto na Áustria. Os diagnósticos no mundo só foram se popularizando a partir da década de 1980, mas no final da década de 1970 já haviam vários casos, contudo, ainda eram tidos como raros.

No Brasil, o diagnóstico já existe desde a década de 1980 também, porém, o conhecimento sobre a síndrome só foi realmente popularizada, tanto no meio médico, quanto nas famílias, no final da década de 1990 e começo dos anos 2000.

Por que procurar o diagnóstico para alguém que está com 72 anos?

Nossa relação com nossa pai não foi das mais fáceis, pois não entendíamos o porquê de ele ser como era. Ninguém nunca entendeu: amigos, familiares próximos e mais distantes, colegas de trabalho. Ele sempre foi o que foi, ninguém entendia, mas também ninguém se preocupava em saber o porquê de ele ser como era. O que as pessoas geralmente faziam era se afastar dele e de nossa família.

Depois que soubemos o que era o autismo, fomos tratar de cuidar de nosso filho e fomos aprendendo dia-a-dia como lidar com ele. Com os avanços em pesquisas em todas as áreas e com muita leitura, fui percebendo traços em meu pai e comecei a observá-lo. Falei com minha mãe que, imediatamente, começou a perceber vários aspectos. Meus irmãos não concordaram muito, porque já estavam acostumados com o "jeito de ele ser".

Com o Nicolas maior, fomos notando cada vez mais semelhanças no comportamento dos dois e fomos notando como meu pai preenchia várias características:
* Não tem amigos e não tem laços fortes nem com familiares (mesmo os de dentro de casa);
* Quando gosta de alguém, é só daquela pessoa e não tem uma relação como a que qualquer um teria: cisma com uma pessoa e só conversa com essa pessoa sempre sobre os mesmos assuntos ;
* Ausência de olhar: nunca olha diretamente para nós. Conversa muito pouco e olhando para as unhas ou para o teto. Às vezes, tem aquele olhar distante, mas nunca para nosso rosto;
* Cada filho que nascia, ele se apegava àquele e não falava mais com os outros. Nunca foi de sentar e conversar para dar conselhos. Alguns de nossos amigos não sabiam que tínhamos pai ou, quando sabiam, achavam que ele era mudo;
* Sua coordenação motora não é nada boa;
* Guarda objetos por um longo tempo, sem o menor motivo e, quando se cansa, se desfaz de tudo, mas leva anos para que isso aconteça.
* Fica sempre isolado em casa. Se estão todos na sala, ele fica no quarto, se tem alguém no quarto, ele vai para a sala e assim por diante. É nítido que ele se sente melhor quando está sozinho;
* Nunca foi viajar conosco porque não gosta de ficar longe da casa dele;
* Fala sempre dos mesmos assuntos. Sempre! A falta de repertório é gritante;
* Tem sempre as mesmas roupas e se veste sempre do mesmo jeito. Só compra outra em caso de necessidade;
* É metódico com suas coisas. Tudo tem que estar onde ele estabelece. Se sair dali, perde a cabeça e quebra alguma coisa. Já quebrou todas as cadeiras de casa quando éramos pequenos, porque saíamos da cadeira e não a colocávamos em baixo da mesa. Aí ele pegava a cadeira, quebrava e jogava os restos no quintal. Não suporta ver nada fora do lugar.
E muito mais...

Quando suspeitei que meu pai fosse autista, comecei a tratá-lo como tratava o Nicolas e nossa relação melhorou 1.000 por cento. Para que eu pudesse entendê-lo, e até perdoá-lo por algumas faltas, precisei ver quem realmente era meu pai. Agora existe uma relação entre nós e eu tento estimulá-lo sempre.

Meu marido, sempre ao meu lado, me ajuda muito. Nós o levamos para passear em alguns lugares, às vezes, vamos à sua casa e estamos sempre puxando assunto com ele, vamos até lá quando ele fica sozinho (quando minha mãe tem compromissos na igreja) etc. Aliás, ele adora meu marido.

Nesta sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014, tive a confirmação de uma psiquiatra de que meu pai está sim dentro do espectro autista. Ele está de parabéns por ter formado uma família e, agora, esta família entende quem é esse patriarca que já foi taxado de tantas coisas por vizinhos, pessoas próximas e por nós mesmos por falta de entendimento e conhecimento.
Eu achava que devia isso ao meu pai enquanto ele está vivo. Eu não queria que el morresse incompreendido.
Arnaldo (meu pai) e seu neto, e grande amigo, Nicolas

Alguns pontos a serem observados
Meu pai nasceu aos 30 de novembro de 1941, no estado da Bahia, em uma região de extrema pobreza. Nunca foi vacinado e nunca fez nenhuma dieta especial.

Sim, estamos mais felizes com esta descoberta. Explica muito e ajuda mais em nossa relação com ele.

Ainda bem que, mais uma vez, Deus nos deu uma nova chance.

14 comentários:

  1. ....adorei tudo isso,,,sou reservado em comentar coisas no face, tenho acompanhado seus posts e sua luta , mas essa eu não posso deixar de comentar, que belo encontro com seu Pai.....parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, agr te admiro mais ainda.bjo

    ResponderExcluir
  3. Ah minha querida, como sou sua fã! Cada dia mais...
    Eliane Amabile

    ResponderExcluir
  4. Estou emocionada com este relato. Nem poderia imaginar uma pessoa com 72 anos ser ainda diagnosticada com autismo. Parabenizo a união da família na compreensão e união. Tenho uma filha autista com 42 anos de idade. Fico surpresa ao saber de pessoas mais velhas com esta síndrome. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Que máximo!! Amei a matéria, e principalmente a descoberta a tempo de compreender o pq de tantas coisas durante a vida toda.
    Vc, sua família, e seu paizinho estão de parabéns..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada dia uma descoberta magnífica, te adoro amiga, você é um exemplo de persistência e garra!! Beijos..Léo.

      Excluir
  6. Que linda história, me emocionei, principalmente com sua última frase: Ainda bem que, mais uma vez, Deus nos deu uma nova chance. Um beijo enorme em seu coração!

    ResponderExcluir
  7. Descobri que meu marido também é autista quase 1 ano depois q descobri o autismo do meu filho. Tudo faz muito mais sentido depois do diagnóstico, né?

    ResponderExcluir
  8. Anita,incrível,ainda mais os conhecendo,tendo frequentado seu lar,pouco tempo,mas o suficiente para ver a realidade da época, realmente pode trazer clareza as vários fatos na vida de sua família, oque entendo com isso é que sou um privilegiado de poder ver na sua vida os planos de Deus serem cumpridos um a um.
    A você e sua linda família
    MUITO OBRIGADO

    PS: ALEXXXXX,você é o kra,sou seu fã.

    Fabinho

    ResponderExcluir
  9. Anita...estou impressionada e feliz por, apesar de tudo ele conseguir sobrevir assim como muitos que não descobrem o autismo, meus parabéns por sua dedicação à ele tbém,bjos.

    ResponderExcluir
  10. Quantas pessoas são incompreendidas! Ninguém procura saber a razão de seus comportamentos. É preciso que os investimentos em pesquisas sobre o autismo apareçam. As informações também. Só assim evitaremos cometer injustiças, melhoraremos as nossas relações e, sobretudo, adquirimos qualidade de vida.

    ResponderExcluir
  11. Adorei. Faz todo o sentido do mundo.

    ResponderExcluir
  12. Eh muito bom conhecer um autista adulto e saber um pouco da sua historia! Parabéns Anita por ter tido a coragem pra descobrir o seu Pai e entende-lo. Sei que nao foi fácil. Mas agora fica mais fácil a caminhada.

    ResponderExcluir
  13. Anita estou muito interessada nesse assunto, sou sua aluna e preciso fazer uma resenha solicitada por vc mesma, mas na verdade sofro com isso a anos, meu irmão tem 17 anos hj e desde criança ele é distante de "todos" (menos da minha mãe) que é a única pessoa que ele realmente conversa.Tem mania de desmontar e quebrar coisas (constantemente), saiu da escola aos 13 anos(ia por que eu o forçava) nunca fez amizades,na verdade agora que esta com 17 anos é que ele resolveu fazer umas amizades com uns garotas mais novos que ele. Também nunca olha nos olhos ,esconde o rosto quando tem que responder algo. Sempre achei que ele precisava de ajuda de um psicologo, mas os "outros" acha que é sem-vergonhice dele.Será mesmo ou ele tem um grande problema que precisa ser compreendido?Oque você acha?

    ResponderExcluir