domingo, 13 de novembro de 2016

Metáforas e expressões! É gostoso rir com ele...

Fomos convidados a dar uma palestra em Santos, SP. Ao saírmos de casa (moramos na grande São Paulo), perguntei à nossa companheira de causa/motorista da vez/agora amiga como estava o tempo em Santos. Ela me disse que estava quente. Como eu havia visto na previsão que iria chover e esfriar um pouco, perguntei a ela e ao marido:
http://giphy.com/gifs/laughing-gif-cute-minions-Fn7q3cMgPZmqk
- Sério? Será que vai haver ressaca?
O Nicolas olhou para mim espantado e perguntou?
- Como assim? As pessoas na palestra estarão de ressaca?

Tanto o Nicolas, quanto nós, começamos a rir! Mas ele ainda esperava uma explicação sobre o uso da palavra "ressaca". Eu perguntei a ele se ele já havia se esquecido que eu já tinha explicado a ele o que era ressaca. Ele pensou por uns dois segundos e disse:
- Ahhhhh, agora acho que lembrei! É quando o mar fica irritado (ele quis dizer "bravo") e passa da areia e vai até a rua.

Eu o parabenizei e disse que não foi bem assim que expliquei, mas que a explicação dele já estava ótima!

Mas tem sido sempre assim com ele e, há muito tempo, resolvemos que iríamos nos divertir com ele. Não rir DELE, mas rir COM ELE. 

Quando ele começou a se comunicar, por volta dos 11, já quase 12 anos, ele apareceu com várias expressões e desentendimentos com nossas expressões. Uma vez, ele me disse:
- Oh, caramba! Vocês neurotípicos bem que poderiam facilitar nossas vidas, né!!!

E fez uma cara de "assim fica difícil", que não deu outra: caímos na risada. E ele, junto!

Nicolas tirando Snapchat e brincando com
os amigos na escola em dia de trote.
Percebi que ele sempre soube o que estávamos falando, desde que quando ele pequeno e sem muita interação conosco. E, quando ele resolveu se comunicar verbalmente, vi que ele tinha muita dificuldade para expressar o que queria e para entender o que falávamos. Conversei com meu marido que seria mais fácil mostrarmos a ele que era legal "os tropeços de comunicação dele" através do humor, pois eu tinha medo de ele ficar frustrado e parar de falar novamente. Foi nossa saída para evitar algo que era imprevisível e, para nós, deu MUITO certo! Ele se diverte com os erros, pede para corrigir-mos os erros, pois ele disse que quer sair com os amigos dele e futura esposa sem ter problemas de comunicação.

Talvez, ele tenha "tropeços de comunicação" para a vida inteira, mas, com certeza absoluta, ele não irá sofrer com isso. Primeiro, por já saber que as metáforas e expressões fazem parte de nossas vidas. Segundo, por saber rir de si mesmo, sem ser o "idiota" da turma. Ele sabe quem ele é. Ele se conhece e reconhece em sua plenitude. Ele sabe que o autismo é só mais uma das brilhantes características que ele tem. E, na boa, ver esse sorriso me encanta. Não importa do que ele está rindo, mas que ele esteja sempre feliz.

Foto de 2011, por Luciana Freitas.