quinta-feira, 3 de julho de 2014

Happy Feet, o Pinguim... Happy?

 O Nicolas simplesmente ADORA assistir ao filme Happy Feet, o Pinguim e, recentemente, assistimos a esse filme algumas vezes, uma vez que estava repetindo muito em uma TV a cabo.

Acho que já comentei com vocês que o Nicolas ama repetir algumas coisas (alguns autistas adoram!) e não é diferente com esse filme. Ele adora algumas partes mais que outras, o que é normal. Porém, notei que ao assistir a algumas partes, o Nicolas fica um pouco triste, o que também normal, uma vez que há algum drama na história.

Perguntei ao Nicolas o que o deixava triste, meio que já esperando a resposta, pois eu acreditava que ele responderia que estava com dó do pinguim. Sim, ele estava com dó do pinguim, porque ele entende que ele está sendo rejeitado, mas também, disse-me ele, porque é assim que ele se sente quando ele tem vergonha de alguma coisa.

Perguntei então a ele, o que que ele faz de diferente a ponto de sentir esta tristeza. Então, ele me disse que, às vezes, tenta participar de algumas conversas e convenções sociais e se sente deslocado e com vergonha.

Perguntei o porquê de, já que ele se sente desconfortável, tentar participar "destas coisas"? Ele olhou para mim espantado e disse: "Ué, como é que eu vou ser feliz se eu não tentar? Dá medo e vergonha às vezes, mas é a vida!"

Ele continuou assistindo e eu fiquei um tempo parada, olhando para ele... Existe limite? Até aqui, ele tem feito como ele quer e não é forçado a nada. Tem total consciência de sua condição, é muito feliz e tenta cada vez mais ajudar a si próprio e aos outros. Mas, e essa vontade de conseguir, de onde vem? Eu sei que não tenho colocado nada em sua cabeça para fazer com ele "mude e deixe de ser autista", contudo, vejo também que não é isso que ele quer. Vejo que ele só quer se encaixar... Ser autista e aceito!

Ao vê-lo gargalhar em uma das partes do filme, aquela gargalhada gostosa e cheia de vida. Daquelas que você, mesmo sem querer, ri junto, percebi que ele se assemelha mais a esse pinguim do que ele imagina. Ele nasceu diferente dos outros, foi rejeitado por uns, não aceito por outros, ridicularizado, questionado, deixado de lado, não entendido por alguns até mesmo da família e ainda tem gente que para tudo o que está fazendo para acompanhar as aventuras do Nicolas...

Ele já veio para mudar! Assim como o pinguim,  que depois de tanto ser apontado como o diferente, mostrou que sua diferença poderia abrir os olhos dos outros. Foi sua diferença que acordou aos humanos e aos pinguins mais velhos. Foi sua diferença que trouxe paz a seu povo e entendimento entre os desiguais.

Nicolas, ainda bem que você nasceu diferente, meu filho. Eu não me transformei em uma pessoa melhor por ser mãe de um autista. Eu procuro melhorar a cada dia porque eu amo ser SUA mãe, meu amor. Obrigada por me ensinar tanto e levar um pouquinho de esperança a alguns.

Lembrem-se: o mundo vai muito além do que imaginamos. As mudanças podem, e devem, começar em nosso próprio meio para que reflita no mundo.


Nicolas aos 05 anos, quando começou a falar um pouquinho...