domingo, 6 de março de 2011

Capítulo 5

Depois de várias tentativas e vários métodos falidos decidimos que, já que o Nicolas não comia nada, então ele teria que comer de tudo! Sem exceção. A lei era: se faz bem, que mal tem. E então ele foi sendo meio que vencido pelo cansaço, já que nós continuávamos a alimentá-lo (e muito bem) 04 vezes ao dia em média.
Uma vez decidimos ouvir o conselho de um dos pediatras para deixá-lo o dia inteiro sem comer que, mais cedo ou mais tarde, ele pediria comida. Acredito que esse tenha sido o dia mais feliz da vida dele. Ninguém para encher o saco e socar comida goela a baixo! O Nicolas tinha aquela cara de bebê anjinho, mais lindo do mundo e ele ficou o dia inteiro bem sereno e sem reclamar de nada. Quando falávamos com ele, esboçava aquele sorrisinho lindo que dava vontade morder, mas não deu o menor sinal de fome ou sede.
Dei de mamar para ele às 07 da manhã e esperamos para que chorasse de fome. Se fosse possível, ele teria chorado de alegria por não ter que comer. Às 17:00 cansei de esperar e preparei algo para ele comer. E lá veio o berreiro tudo de novo.
*Leia mais no livro "Meu filho ERA autista" - informações: meufilhoeraautista@yahoo.com.br